segunda-feira, 9 de julho de 2012

Pensatas gastronômicas

Caro leitor, seja você leitor assíduo ou não deste blog, leitor que veio parar aqui por acaso, leitor de passagem, qualquer um que esteja lendo isso agora, gostaria de pedir algo a você, encarecidamente: conte-me algo novo! Sim, por favor, preciso de novidades gastronômicas, senão corro o risco de sofrer um bloqueio e não mais conseguir escrever nada por aqui... estou em uma fase de "marasmo criativo", preciso de emoção para criar um novo post e isso só acontece quando vou com sede ao pote, quando vou conhecer um novo restaurante, quando experimento novos sabores, quando algo me surpreende e tenho vontade de dividir a experiência com vocês.


Acontece que, nos últimos tempos, não tenho sentido essa emoção, não ouvi ninguém comentando sobre um novo lugar, sobre uma descoberta de algo delicioso, ainda que escondido em uma biboca da baixa gastronomia, nada! Na hora de escolher onde comer, tenho preferido meus portos seguros, lugares que já fui e continuo indo pois gosto da comida, do serviço, do ambiente e prefiro gastar meu dinheiro com algo que me satisfaça por completo. Mas existe em mim esse espírito aventureiro que anseia por novidades, por sabores mais exóticos, por experiências mais complexas, por algo d-i-f-e-r-e-n-t-e.


Sim, tenho na ponta da língua meus lugares favoritos da cidade para as mais diversas ocasiões, querem ver? Para um jantar a dois, o Lagundri; para bebericar e petiscar com amigos, o Esquinica; para um almoço de domingo com direito a esbórnia, o brunch do Vila Real; para aquele almoço durante a semana que não pode demorar mais que meia hora, o Spice; para enfiar o pé na jaca e comer durante horas, o Bar do Marcelino; para um bom vinho, acompanhado de oa comida, o Gallo Nero; para um bom hamburger, o Fiftie's; para aqueles raros rompantes saudáveis, a salada do Kilimanjaro; para conforto imediato, a polenta do Duo; para grandes comemorações, o La Palette... por mais que alguns novos lugares na cidade tenham me surpreendido, caso do Esquinica, do Meme, do Conte, do Duo, ainda sinto falta de um cenário gastronômico mais fervilhante, com direito a representantes de culinárias até então pouco exploradas. Por que não um coreano moderno, um indiano tradicional, uma cevicheria, um regional de respeito, um diner com lobster roll e philly steak no menu, sei lá, algo que não seja igual ao que já temos de monte por qui.


Concordo que a análise pré-abertura de um negócio deve ser um verdadeiro drama para o investidor, mas será mesmo que Campinas não tem público para se ajustar às tendências da gastronomia mundial? Já viram como ficam os shoppings da cidade aos finais de semana e feriados, na hora do almoço? Ou como fica a rodovia dos Bandeirantes no sábado à noite, sentido São Paulo? Você aí, que gosta de comer bem, vai me dizer que, vez ou outra, não recorre à paulicéia em busca de novas experiências, indo atrás daquela dica do amigo paulistano que nós julgamos ser muito mais entendidos que nós, dada a vasta gama de estabelecimentos "diferenciados" aos quias ele tem acesso, todos os dias da semana? E quando volta de lá, adora falar que é habitué deste ou daquele restaurante de Sampa, que lá o esquema é outro, é "diferente"...


Pois bem, é neste "diferente" que eu queria chegar. Não precisa ser diferente, precisa ser interessante, precisa despertar o interesse e a curiosidade dos comensais, precisa valer à pena em todos os sentidos. Não há mais espaço para erros primários, como comida ruim, pedidos trocados ou serviço incompetente, o que se paga hoje em dia é caro demais para não se justificar. No meu caso, basta uma única experiência ruim para que eu nunca mais coloque os pés no lugar, não tem desculpa para determinados problemas. Fico feliz que tenhamos ótimos representantes da boa gastronomia na cidade, em diversas categorias e estilos, mas este cenário precisa ser mais dinâmico, estabelecimentos considerados "mais ou menos" devem ceder lugar a novos potenciais e isso só ocorre quando o público demonstra sua opinião através da frequência. Por isso, só volto aos lugares que considero bons ou ótimos, com a esperança de que as pessoas façam o mesmo, fazendo surgir novas opções.


Nesta semana teremos o lançamento da edição 2012 2013 da Veja Comer & Beber Campinas. Apesar de não querer nutrir grandes esperanças com relação a novidades na cidade, espero ter alguma boa surpresa no quesito revelação, já que minha sede pelo novo e diferente parece estar me deixando "seca" demais - em termos de entusiasmo criativo, claro...



Essa foto é do Lamen - ou Ramen - do Momofuku Noodle Bar, um dos restaurantes-sensação de NY, do chef coreano David Chang. Daí fica a pergunta que ilustra meu sentimento ao escrever este post: por que não posso comer um ramen em Campinas, se temos inúmeros restaurantes japoneses?

34 comentários:

  1. O Bar da Tonha é o meu pé-no-chão predileto da cidade. Tá aí - foi você quem pediu algo diferente. Fica em Barão Geraldo, um tesouro da cultura chinelinho da Unicamp. Basicamente para insiders.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É isso, é isso! Quero saber sim qual lugar você curte e gostaria que outras pessoas conhecessem, esse é o espírito... e o fato de ser pé-no-chão me encanta, ou você acha que eu vivo de bistrô? Inclusive, tem um blog bem legal daqui de Campinas cujo foco é a "baixa gastronomia", como o próprio autor define: http://restaurantesdavidareal.blogspot.com.br/
      Valeu pela dica, quando estiver em Barão vou conferir o Bar da Tonha.

      Excluir
  2. Mari, primeiramente parabéns, u know why!

    Pelo que eu vi, você citou restaurantes com padrão mais elitista, mais focado em alta gastronomia. Eu não gosto dessas diferenciações mas por aqui há opções bem interessantes de "baixa gastronomia", uma comida mais roots. Por exemplo, o rancho da costela que fica na rodovia do açúcar e é assiduamente frequentado por motociclistas e 4x4. Comida de sítio, eles produzem a linguiça e tudo mais...tudo farto e barato, com sobremesas caseiras boas também.

    Não sei se foge do foco mas é um dos exemplos de algo "diferente" que eu curto.

    Outra coisa...vou morar no tatuapé - um palestrino na ZL, que lindo - se vc tiver sugestões bacanas eu agradeço!

    ResponderExcluir
  3. Muito obrigada pelos parabéns e desejo boa sorte, u also know why!
    Viu, acho que o fato de eu escrever este blog causa uma impressão de que eu sou gastronomicamente elitista, mas vc e outros que me conhecem sabe que eu sou aquela que tem coragem de comer o churrasquinho grego da Praça da República, né? Então que fique claro que todas as sugestões são bem vindas, independente da "classe sócio-gastronômica"... curto comida de sítio, principalmente porque é farta! Valeu pela dica.
    Quanto ao Tatuapé - cuidado que a maioria por lá é alvinegra, hein? - tem coisa boa no bairro sim, posso te passar uma relação das casas que eu gosto e recomendo. E outra, o Tatuapé não é dos bairros mais distantes da ZL, então outros lugares mais centrais ainda vão estar acessíveis, aí suas opções serão praticamente infinitas. Vc vai pirar na paulicéia, hehehe... Abraços!

    ResponderExcluir
  4. Olha, tenho o mesmo sentimento que vc. Eu acabei de retornar à Campinas, depois de 5 anos fora e só o que faço é procurar novidades. Bem, algumas coisinhas que vale a pena. Via Margutta em Valinhos, Hamburguinho em Vinhedo, comer um lanche de filé de frango no 1o Lanchão, o do Nova Campinas, comer um camarão empanado no Hirata. Agora, dois fantástico que fui recentemente: Mocotó e Shin Zushi (ambos em São Paulo, e o Shin bem caro). Muito boa também a bomba do La bombe em Sampa também. Se estiver animadacom Sampa, 348 Parrilla Porteña, da Vila Olimpia. Varanda Grill para uma experiência gastronomica com Kobe Beef (e cara). Se decidir dormir em São Paulo, vá ao Piratininga na Vila Madalena, que é fantástico. Voltando à Campinas, vale a pena o Bar do Alemão. Espero que curta. Experiências baratas e caras, para escolher.

    ResponderExcluir
  5. Legal, gostei da vibe dos comentários! Algumas das suas dicas eu conheço e gosto, caso do Mocotó, Jardineira e os campineiros Hirata e Bar do Alemão. Não sabia que tava rolando Kobe no Jardineira, custa caro mas o rodízio eh dos mais espetaculares que já vi! O Mocotó foi minha inspiração quando sugeri um regional de respeito pra Campinas. O Hirata já virou instituição campineira, acho valendo! Valeu pela participação, vou conferir as dicas do que não conheço ainda.

    ResponderExcluir
  6. Acredito que vc conheça ambos os restaurantes, mas de qualquer maneira, como não há resenha sobre eles, segue a dica: Forneria San Pietro e
    Matisse.
    Sds.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bem colocado, conheço ambos porém não fiz resenha sobre eles. Inclusive, na segunda-feira minha intenção era ir na Forneria, mas o Iguatemi estava tão insuportável que dei meia-volta! Já o Matisse sempre faz parte das minhas opções, justamente por estar devendo um post sobre ele, mas na hora de bater o martelo acabo optando por outro... Obrigada pelas indicações!

      Excluir
  7. Na verdade escrevi Jardineira, mas é o Varanda. Desculpe

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Na verdade o ato falho foi meu, vc escreveu Varanda e eu li Jardineira! Valeu pelo toque.

      Excluir
  8. Uma ótima opção, principalmente em uma cidade com tão poucas boas opções de carne, será a inauguração do Pobre Juan, no Shopping Galleria.
    Provavelmente entre agosto/setembro, o restaurante será inaugurado, na nova área do shopping. O q vc acha do Pobre Juan?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mas que bela novidade, concordo plenamente que a cidade tem escassas opções para uma boa carne e os restaurantes de parrilla sabem brasear uma carne como ninguém! Apesar de não conhecer o Pobre Juan, gosto do estilo das casas argentinas, pelo menos sao lugares que fazem carnes com maestria, contam com cortes especiais, dificilmente erram no ponto... Obrigada por compartilhar a informação conosco, assim que inaugurar farei um review!

      Excluir
    2. Como eu trabalho no complexo do Galleria e passo por ali de segunda a sexta, assim que o Pobre Juan for inaugurado, aviso por aqui. Mari, vc poderia fazer o seu Top 10 dos melhores restaurantes de Campinas. O q vc acha? Abraço.
      Juliano.

      Excluir
    3. Oi Juliano, avise sim quando inaugurar! Quanto aos Top 10, tenho receio de fazer uma lista, vc sabe que listas só servem para serem contestadas e tenho ate medo do que vai rolar nos comentários... Mas não descarto a idéia! Abraço!

      Excluir
  9. Mari,
    Uma dica: Emporium do Bacalhau, no Cambuí, onde era o Olivetto Bar e Mar.
    Achei bom, mas bacalhau em Campinas ainda eh na Casa do Bacalhau.
    De qq maneira, vale a pena conhecer.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom, eu não vou nessa casa porque ela é do Olivetto, e eu não gosto do restaurante. Fui duas vezes e desisti. Em uma das vezes comi um bacalhau e estava abaixo da média. Prefiro não arriscar nesse Emporium.

      Excluir
    2. Só não adianta depois criticar sem conhecer o restaurante.

      Excluir
  10. Nem sabia que já tinham aberto alguma coisa no falecido Bar e Mar, bom saber que trata-se de uma casa esoecializada em bacalhau, gosto bastante do peixe em suas inúmeras versões. Vale um post para comparar com a Casa do Bacalhau, não?

    ResponderExcluir
  11. Mari,
    Um restaurante que merece uma resenha, na minha opinião, eh o
    Baracat, que esse ano completa 20 anos de casa e sem duvida eh um dos melhores restaurantes da cidade.
    Abraço. Juliano.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, é fato, o Baracat precisa constar aqui no blog, você não é o primeiro a me cobrar isso. Tenho uma relação meio estranha com o restaurante, mas como minha última visita foi há muito tempo, não vem ao caso falar nada daquela época, uma nova visita seria o mais justo para um review. Abraço!

      Excluir
  12. Olá, é a primeira vez que comento aqui.
    Realmente é difícil achar lámen em Campinas... uma amiga disse que há no Nashi do shopping Dom Pedro, mas ainda não experimentei.

    Temos ido com certa frequência no La Salamandra do Barão Geraldo. Tem boa relação custo-benefício, e tem um molho de pimenta caseiro poderoso.

    Quanto a boteco, é conosco mesmo! Gostamos do Bar do Fernando, na Chácara da Barra. O lanche com o aliche caseiro é muito bom. Às sextas fazem pernil delicioso, com umas batatas...
    Outro bar que tem coisas gostosas de comer é o Bar do Carioca. Fazem um bolinho de jiló muito bom!

    ResponderExcluir
  13. Olá Yoko,
    essa dica do Lamen foi fantástica, obrigada! Não conheço o La Salamandra, vai entrar para a listinha de novas descobertas. Também adoro um boteco, ontem mesmo o Bar do Carioca foi premiado pelo juri da Veja Campinas, não lembro se foi como melhor boteco ou melhor comida de boteco, um dos dois. Esse Bar do Fernando é perto do meu trabalho, tô quase indo lá experimentar o lanche! Obrigada e volte sempre ao blog!

    ResponderExcluir
  14. Vale a pena uma viagem curta até o Restaurante Jangada em Mogi Guaçu, fica bem na Estrada Campinas-Mogi, um pouco antes da International Paper (que fica do outro lado da pista) e antes do rio. Lá tem o melhor Pintado na Brasa da região, e o outros peixes também são excelentes. Peça o espeto à moda. Vá preparada porque lota bastante no almoço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Outro dia mesmo reparei nesse restaurante, quando voltava de Mococa, quer dizer que vale à pena? Adoro pintado na brasa, mas tem lugares que servem o peixe esturricado, acaba com o meu humor um pintado ressecado... Valeu pela dica!

      Excluir
    2. Vá sem medo. Passo às vezes 1 semana trabalhando na região e almoço todo dia o espeto à moda, que é o pintado. Já experimentei no Rosário, Rã-chu, Estação Mogiana, e não tem pra ninguém.

      Excluir
  15. Mari,
    Aproveitando o comentário da Yoko sobre o La Salamandra, você poderia também fazer uma resenha, comparando os restaurantes mexicanos da cidade: El Tambo (para mim, o melhor deles),
    Don Miguel, Sí Senor e o La Salamandra (que além da unidade em Barão Geraldo, inaugurou outra em Sousas). Nem vou incluir o Pepe Loco, porque está bem mais para fast-food do que para restaurante.Abraço.Juliano.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Então, essa tarefa já tá no meu to do list... outros leitores já pediram, acho válido também, agora que temos alguns representantes. Vou fazer!

      Excluir
  16. Mari,
    E o Spago´s? Conhece? Fica na Dr.Sampaio Ferraz
    e abriu no final do ano passado.
    Bacana e com preço justo. Vale a pena.
    Abraço. Juliano.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não conheço, vou xeretar lá... valeu! Abraço

      Excluir
  17. Mari, adoro seu blog......vou dar algumas dicas...
    No quesito boteco eu gsoto muito do cacca bar na conceição, na minha opiniao é o melhor chopp do mundo....hahhahahahahaha, fora as comidinhas deliciosas
    Em termo de restaurante eu conheci recentemente o Theo Medeiros e gostei muito, atendimento bem bacana, comida muito bem feita...tem um outro que gosto bastante almocei por varias vezes lá é o compostela, vc conhece?
    O Jangada de Mogi é de fato excelente nunca comi um pintado tão gostoso na minha vida, vale muito a pena!!
    Tem um em holambra que chama tratorie é bem bacana tb...
    Se lembrar de mais algum escrevo num outro comentario...

    Parabens pelo blog.
    Bjs

    ResponderExcluir
  18. Olá Ivana, obrigada por sua visita e dicas! Faz muuuito tempo que não vou ao Facca, mas sei que é um dos melhores botecos de todos os tempos! O Theo é um dos meus favoritos na cidade e ainda não conheci o Compostela, mas já tive ótimas referências de lá, já está na minha listinha de próximos. O Jangada já me convenci de que preciso conhecer - na verdade o leitor dos comentários aí de cima me convenceu - e irei com certeza. O Tratorie de Holambra também não conheço, bom saber! Super obrigada, bjs!

    ResponderExcluir
  19. Olá!
    Você conhece o The Old Dutch, em Holambra? Não deixe sua (má) experiência no Warong te afastar desse restaurante da cidade, que é relativamente simples, mas extremamente saboroso. Prove o prato do caçador e o pãozinho caseiro com manteiga de ervas: não tem erro! Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Nathalia,
      já tinha ouvido boas referências sobre o Old Dutch, valeu pela dica! Tenho vontade de ir em outros restaurantes de Holambra, principalmente naqueles com mesinhas ao ar livre, no melhor estilo Biergarten! Bjs!

      Excluir
  20. Olá!
    Como descendente de japoneses e fã de Lamen (o verdadeiro) compartilho a sua frustação por não encontrar essa iguaria aqui em Campinas. Gosto de pratos orientais a base de macarrão, muito pouco explorado pelos restaurantes japoneses da região, que ficam apenas no já batido sushi e sashimi, como se a culinária japonesa se limitasse a esses dois pratos. Fui há pouco tempo no Shogun House que oferece alguns pratos como o próprio lámen, somen e udon (macarrão com caldo à base de peixe e diversos acompanhamentos) que são bons, experimentei o nabeyaki udon deles e é muito gostoso, excelente para dias mais frios. Além disso, eles oferecem também o tonkatsu que é um filé de carne de porco à milanesa, muito comum na culinária japonesa, assim como milanesas em geral. Os teishokus (espécie de prato feito japonês) também valem a pena, são bem servidos com preços bons. Claro que o lámen deles não está no mesmo nível de restaurantes do bairro da Liberdade em São Paulo (como o Lamen Kazu, Aska e Porque sim) mas dá pra se ter uma idéia de como é esse prato tão popular entre os japoneses. Vamos torcer para que logo apareça um lamen-ya por aqui!!! Abraços

    ResponderExcluir